segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O Passageiro



                                                    Foto por: Catherine Ashmore / ENO


O hall do teatro Coliseu de Londres estava lotado poucos minutos antes e devido ao desempenho Inglês National Opera teve um público variado lotando os lugares num salão elegante. Além da ópera, havia gente elegantemente vestida e também um grande número de jovens em T-shirts, assim como turistas carregando sacolas de suas últimas compras. A orquestra começou a afinação de seus instrumentos e a cortina preta rasgada, marcada com manchas de ferrugem foi levantada. No palco foram visto trilhos de trem e bancos lotados em preto desbotado.


O público não tinha vindo para ouvir um desempenho clássico ou uma ópera repleta de luz com a música cativante, mas para ver "The Passenger" ( O Passageiro) uma ópera que sobre  Auschwitz. 


 

Vozes das mulheres encantadoras cantou sobre a SS, enquanto o coro armou-se alto sobre Auschwitz. The Passenger foi a maior produção do ano.







A história da ópera, baseada em um livro de Zofia Posmysz, uma mulher católica polonesa que sobreviveu três anos no campo da morte, é sobre um sobrevivente de Auschwitz e um guarda que se encontram no convés de um navio de cruzeiro título para o Brasil.

Agora que a temporada acabou e mais de 15.000 pessoas viram a ópera, pode-se dizer que esta foi a produção do ano. Mesmo na sala de espera já se podia ouvir os argumentos entre aqueles que eram a favor da produção e aqueles que tinham dificuldade em engolir, enquanto a imprensa britânica realizou um grande debate sobre ele.

A história é uma de sobrevivência, de sentimentos de amor, culpa e sofrimento. No desempenho que participei, os membros da audiência ficaram coladas aos seus lugares, ouvindo a música desconhecida. “É interessante, mas eu teria preferido que a música era mais acessível disse um membro da plateia sentada perto de mim”. Afirmou Shaul Adar que publicou a matéria no jornal israelense Haaretz.

A ópera, que deverá chegar a Israel em 2013, também recebeu críticas mistas na imprensa britânica.
Muitos críticos descreveram como uma obra-prima, chamando-a de uma forma mais corajosa de lidar com o significado do Holocausto. Mas outros argumentaram que foi um fracasso devastador ou uma desgraça, e duvidavam que se realmente teria sido possível um guarda do campo de concentração sentir dores de culpa.





Fogo Cruzado em Israel



O ódio contra o Estado de Israel não vai parar, nem com  acordos políticos nem com tratados de paz, são os eternos conflitos desde a era bíblica: Sambalates e Tobias contra Neemias, Filisteus contra Sansão, ...

Após as negociações para troca do soldado isrelense Gilad Shalit terem sido concluidas recomeçaram os lançamentos de foguetes de Gaza contra Israel. Um total de 31 foguetes foram disparados de Gaza desde o início do fim de semana.

Sendo que cerca de 20 foguetes e morteiros foram disparados de Gaza contra o sul de Israel só neste sábado, com foguetes lançados em Ashdod, Ashkelon, Gan Yavne, e cerca de Beer Sheva.




Um homem ficou gravemente ferido em Ashkelon e, finalmente, morreu de seus ferimentos. Outro homem foi moderadamente ferido no ataque de foguetes Ashdod e outros três ficaram levemente feridos. Além disso, 17 vítimas de trauma foram relatados.

Militantes de Gaza continuaram a lançar foguetes contra Israel na madrugada de domingo, apesar de um relatório sobre a Agência de Notícias Ma'an alegando que um egípcio mediada por cessar-fogo entraria em vigor em 3:00 AM 

Três foguetes explodiram perto da cidade de Ashdod, na manhã de domingo, e outra caiu a leste. Sem deixar vítimas ou danos graves conforme foram relatados. O Iron Dome sistema de defesa antimísseis interceptou com sucesso um foguete Grad lançado contra Ashdod neste domingo.

Na noite do dia, 11 foguetes e morteiros foram lançados contra Israel. A maioria das escolas dentro das cidades suspenderam as aulas no primeiro dia da semana. Aulas foram canceladas na maioria das cidades do sul e Ben-University, Sapir College e Achva Academic College não deu início ao ano letivo devido à situação de segurança.

As autoridades egípcias disseram que todos os esforços para convencer os militantes palestinos na Faixa de Gaza a pararem os disparos de foguetes em Israel falharam.

O Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu disse no domingo que Israel não teve escolha senão retaliar quando confrontado com o ataque, e iria parar "todas as tentativas de fogo contra Israel e qualquer um que incêndios de qualquer maneira".

Netanyahu disse aos ministros reunidos para uma sessão especial de gabinete em Safed que a política de defesa de Israel foi baseado em dois princípios: "Matar ou ser morto" e "Aquele que prejudica você deve ter o sangue na cabeça”

Apenas algumas horas depois, a Força Aérea de Israel atingiu uma célula militante aparentemente prestes a lançar mais foguetes contra Israel.

 


Facelift - Sheinkin Street





Sheinkin Street está prestes a começar um Facelift. Tel Aviv começará as reformas em breve com vistas a transformar Sheinkin em uma rua de pedestres impedindo o tráfego.  Outras ruas - Shabazi na Tzedek Neveh e Washington Boulevard podem tornar-se em avenidas apenas para pedestres.

Nesse meio tempo, as três ruas estão sendo pavimentadas com pequenos azulejos ao invés de asfalto. Sheinkin também terá uma ciclovia bidirecional ao longo da rua inteira, luzes decorativas, novas árvores, e uma calçada. Além disso, um número de lugares de estacionamento serão eliminados.

A obra está prevista para começar em algumas semanas e pode durar até março de 2013. Isso será feito gradativamente, para minimizar as perturbações aos moradores e proprietários de lojas. Atualmente, apenas a rua de pedestres em Tel Aviv é a Nahalat Binyamin.

Funcionários municipais dizem que consideram a criação de passarelas de pedestres adicionais como forma de estabelecer centros urbanos. O movimento também reflete uma política municipal de dar preferência a pedestres e ciclistas sobre os veículos particulares.

Representantes da cidade dizem que as conversas iniciais mostram que muitos moradores apoiam a transformação de  Shabazi Neve Tzedek em uma rua de pedestres nos finais de semana e Washington Florentin do Boulevard em uma rua de pedestres permanente.

"A maioria dos moradores estão muito entusiasmados com isso", diz Dr. Benny Maor, chefe da Construção e Administração de Infra-estrutura no Município de Tel Aviv. "Eles terão uma avenida que irá atualizar toda a área. Cafés, mais lojas, e um canto agradável para as crianças brincar, em vez de correr em torno de tráfego e entre os carros estacionados",

As conversas com donos de lojas em Sheinkin sugerem que muitos deles defendem o Facelift: "É ótimo que uma mudança está sendo planejada, porque nos últimos anos a rua realmente se parece com ... a estação central de ônibus", diz Tomer Yaron, proprietário da loja de óculos Sheinkin. "A manutenção aqui é muito ruim."

Alguns lojistas estão preocupados com o tempo que a construção vai durar entre um ano e meio o que pode prejudicar os negócios. Enquanto que os empresários locais estão preocupados que o longo período de construção pode perturbar as rotinas, limitar o acesso e eliminar muitos lugares de estacionamento.

Fonte:  Ilan Lior Tags: Tel Aviv Israel cultura



domingo, 30 de outubro de 2011

Camisa de Shalit se torna tendência da moda em Gaza




A primeira imagem de Gilad Shalit em liberdade que passou em Gaza tem captado a atenção de muitos em Israel e em todo o mundo. Shalit foi levado por homens do Hamas vestindo roupas civis, incluindo uma camisa xadrez. Mas enquanto a maioria focada em seu corpo magro, parece que muitos palestinos que estavam mais interessados ​​em seu equipamento, que se tornou uma tendência de imediato em Gaza.

 
 
Assim, as Lojas de Gaza oferecem a mais recente tendência : uma camisa xadrez igual a que Gilad Shalit usava durante a transferência para Israel que custa em torno de 60 NIS (16.5 dólares).

 





Comerciantes na Faixa de Gaza estão chamando de "A camisa Shalit" em uma ampla gama de cores e a demanda, ao que parece, é muito elevado.


A evidência da nova tendência da moda pode ser encontrada no Facebook, onde pelo menos 10 páginas foram criadas nos últimos dias dedicados a "camisa de Gilad Shalit" e milhares de internautas tornaram-se fãs. 


Facebook - Membro do grupo comparando-se a Shalit



Uma das páginas declarou que era a camisa do mês e outro internauta declarou que mesmo sendo produzidas em grandes quantidades vão acabar logo!


 
Fonte: Elior Levy Publicado em: 22.10.11 Notícias / Israel

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Bibi-bomb








O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu respondeu com humor na quarta-feira para o "Bibi-bomb" -   imagens que circularam no Facebook, postando uma imagem semelhante em sua própria página no Facebook.

O semblante sério e preocupado do Premier de Israel que muitas vezes aparecia em jornais iluminou-se no dia em que o sargento israelense Gilad Shalit voltou para casa.





A imagem sobreposta foi tirada a foto icônica em que o soldado Gilad Shalit abraçava seu pai, Noam Shalit, no reencontro depois de cinco anos em cativeiro.


 

O rosto do ministro sorrindo serviu como uma oportunidade de foto perfeita para o escritório do primeiro-ministro, como enfatizou o fato de que Netanyahu foi o líder que decidiu trazer o soldado para casa, mas também inspirou uma onda de photoshopped imagens que inundou Facebook e blogs.









As imagens inclui uma foto de Netanyahu ao abordar a 66 Assembleia Geral na sede da ONU este ano, sobre o qual se encontra uma imagem sobreposta de o Primeiro Ministro sorrindo. Um balão de fala emerge da boca sorridente Netanyahu está dizendo: "Doogri, você me fez rir." A palavra "Doogri" significa  "honestamente", ou "simples".






Netanyahu imagem photoshop em discurso na ONU - 26.10.11









A figura do ministro sorrindo se transformou em uma espécie de "Forrest Gump", que foi cortada e colado em fotografias de momentos-chave na história. Destas imagens nasceu o termo "Bibi-bomba" e incluem Maccabi Tel Aviv Europeu em 1977 quando recebiam a Taça, a assinatura da Declaração de Independência de Israel em 1948, a assinatura do tratado de paz com o Egito em 1979, o casamento real do príncipe William e Kate Middleton - agora, o Duque ea Duquesa de Cambridge. Cenas com os Beathes, em um cartaz do filme Matrix e muitas outras.










O Primeiro Ministro que durante algum tempo sofreu (e sofre) críticas passou a ser visto como um herói nacional juntamente com o soldado Shalit, ao abrir mão de mais de mil detentos das prisões israelenses só para trazer de volta um filho de Avran.




quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Objetos de guerra transformados em expressões de Paz





12.000 Rockets foram disparados contra o sul de Israel nos últimos oito anos contra alvos civis israelenses, causando destruição, caos e morte. Uma geração inteira de crianças traumatizada pelo terror dos ataques com foguetes. Cidades israelenses como Sderot e Ashkelon continuam a estar em perigo real.
 
Art Metal SculptureHand passou a usar estilhaços desses foguetes (rockets) para esculpir rosas, castiçais e menorahs trabalhadas a partir desse material que aterrorisou o povo de Israel. Esses objetos simbolizam a perseverança e são símbolos vivos da resistência de Israel em face ao terror islâmico. Yaron Bob, um artista israelense, que entende o que significa viver na sombra do terror, encontrou sua maneira de transformar objetos de guerra em expressões de paz.

 

Quase um milhão de habitantes de Israel estão dentro do alcance impressionante dos foguetes de Gaza.  Elas tem apenas 15 segundos para encontrar os abrigos, são vidas  que estão em perigo. Israel precisa desesperadamente de mais abrigos de bombas para proteger seus cidadãos. 
 





De cada item comprado em nosso site, uma parcela dos rendimentos será doada para Lifeshield Operação para construir mais abrigos de bomba em Israel e salvar mais vidas.


A História: Um homem – Um Objetivo

O Artista Yaron Bob




Yaron Bob, é um professor de arte e ferreiro que vive em Yated, uma pequena comunidade israelense perto da fronteira com a Faixa de Gaza. Ele faz rosas de foguetes Kassam disparados de Gaza. Um dia ele entendeu que precisava reagir ao terror que ele e sua comunidade estavam enfrentando. Yaron queria criar algo que fala de crescimento e prosperidade e para fazer algo fora da destruição e das ruínas que os foguetes deixavam.

A verdade é que o foguete é um instrumento de morte que ele realmente não queria lidar com isso. No entanto, sua frustração foi se intensificando com tantos mísseis caindo sobre Israel e tantos alarmes soando um após outro.




A situação foi muito estressante para ele e sua família. "Finalmente me ocorreu que eu precisavafazer uma rosa do Kassam", disse ele. Agora. Bob recolhe os foguetes gasto, mais dado a ele pela polícia, depois de terem sido verificados pelo esquadrão anti-bombas.




 

O artista israelense cria beleza a partir de material de guerra e cada rosa leva cerca de três a quatro horas virando e torcendo o aço. Então, nascem as pétalas na escultura intrincada e folhas sobre a rosa. A base da escultura é um mapa de Israel com a rosa que cresce fora da fronteira com Gaza.

 



Embora a rosa, o tronco e a base sejam feitos de Kassam, não há nenhum sinal que a flor de metal vem de foguete. O Artista Bob afirma: "Tomo a Kassam, o instrumento de morte e transformo em algo de real beleza."

Bob diz que não é um pacifista, mas ele gostaria de poder dizer ao Hamas  que tem algo melhor do que o lançamento de foguetes para iniciar uma guerra.    

 
Seu objetivo é que de alguma forma o mundo saiba as pessoas em Israel não estão com fome de guerra e o que  realmente querem é um futuro brilhante e bonito.

Fonte: 



segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Benção Sacerdotal




"Que o Senhor te abençoe e te guarde. Que o Senhor faça resplandecer o Seu rosto sobre ti e seja gracioso para contigo.
Que o Senhor possa voltar a Sua face para ti e te dar a paz".


Mais de 70 mil judeus participaram semana passada naquela que parece ter sido a maior de todas as cerimônias da "bênção sacerdotal" jamais vistas no Muro Ocidental quando centenas de Coatitas abençoaram os presentes com os versículos bíblicos. Em 2009 foram apenas 30 mil, já em 2010 não se contabilizou o total.


A tradição da Bênção Sacerdotal foi iniciada em 1970, durante a Guerra do Atrito pelo rabino de Jerusalém da altura, Menachem Mendel Gafner. A multidão recitou a Oração Matinal e a Oração Musaf. 



Tem sido celebrada ao longo de 40 anos, duas vezes por ano, nos dias intermediários da celebração da Páscoa e dos Tabernáculo. Segundo o neto do rabi Gafner, esta foi a 100ª celebração da Bênção Sacerdotal. 


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Simchat Torá – A Alegria da Lei



Por este preceito somos ordenados a renunciar a toda a produção de nossas terras no ano do Shabat e a permitir que qualquer pessoa recolha tudo o que cresce em nossos campos.
Maimônides in “Os 613 mandamentos”


A festa de Simchat Torá - “A alegria da Torá”, é celebrada logo após Sucot, marcando o fim do ciclo anual da leitura do texto sagrado do Judaísmo, com a conclusão do livro de Deuteronômio e o reinício da leitura, em Gênesis. A continuidade demonstra que os judeus jamais deixam de fazer a leitura da Torá.

Esse é um dos dias mais alegres do calendário judaico, com serviço religioso festivo na noite da véspera, com danças e músicas animadas. São as hacafot, sete voltas ao redor da bimá, o altar da sinagoga, de onde são dirigidas as orações.


Nas congregações liberais, todos os rolos da Torá são retirados do Aron Hakodesh (a arca sagrada) e as pessoas presentes à festa – homens, mulheres e crianças – podem segurá-los para dançar.

No serviço religioso de Shacharit (matutino) é realizada a leitura da Torá e todos os presentes à sinagoga recebem a honra de uma aliá, a oportunidade de ser chamado para a leitura, inclusive as crianças que ainda não fizeram bar Mitzvá ou Bat Mitzvá.


A comemoração de Simchat Torá teve início durante o exílio na Babilônia, após a destruição do Primeiro Templo, em Jerusalém. Naquela época, em Israel, a leitura da Torá era feita em períodos de três anos ou três anos e meio.









Somente depois de o costume de se ler a Torá ao longo de um ano, ter se popularizado, durante o exílio na Babilônia, e com a compilação do Talmud, por volta do ano 500, é que a festa foi aceita pelas lideranças religiosas em Israel.


A leitura da Torá é feita semanalmente em pequenos trechos chamados de parashiot ou, no singular, parashá (porção), concluindo o livro sagrado em um ano, justamente em Simchat Torá. Em algumas comunidades manteve-se o costume de se completar as leituras em um ciclo trienal. 

A cada ano, lê-se um terço de cada uma das parashiot. Nas sinagogas, a leitura é feita às segundas-feiras, quintas-feiras e aos sábados, nos serviços religiosos da manhã (Shacharit) e da tarde (Minchá) de Shabat, além das datas festivas e dos dias que marcam o início de um novo mês judaico.

Cada parashá apresenta um trecho da história bíblica e, nas congregações liberais, sua leitura é seguida de uma prédica, de um Dvar Torá (palavra da Torá) ou de uma drashá (estudo dirigido) com ensinamentos e comentários sobre o texto religioso. Também é comum os líderes religiosos traçarem analogias com o mundo contemporâneo, demonstrando que a Torá pode ter influência nas nossas vidas ainda nos dias atuais.


Fonte:  http://www.beitisrael.org/?p=298

Festas Judaicas



Hoshaná Rabá


Data Hebraica: 21 de Tishrei de 5772
Data: 19 / Outubro / 2011


Shmini Atzeret


Data Hebraica: 22 de Tishrei de 5772
Data: 20 / Outubro / 2011


Gilad Shalit de regresso a Israel sob um forte dispositivo de segurança

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Gilad Shalit está livre!

Gilad entrou no território Israelense essa manhã! Esse é um dia de glória para o Estado de Israel que venceu com toda diplomacia e negociou o resgate de um dos seus filhos! É dia para festejar e dar Glórias ao D-us de Israel que nunca abandou o seu povo e que por sua imensa misericórdia também ouviu as orações da família Shalit e dessa humilde escritora. Baruch HaShem Adonai Melech haolam!







Na conferência de imprensa na quinta-feira, Noam Shalit disse estado de seu filho estava melhorando. "Gilad está se sentindo melhor e está sob vigilância médica Ele saiu para uma caminhada curta, montou em sua bicicleta e jogou tênis de mesa em casa Ele se encontrou com amigos -.. Amigos da aldeia (Mitzpe Hila), escola e amigos de infância ".

Noam Shalit relatou que seu filho está comendo e tem um apetite, mas ele ainda tem problemas para dormir durante a noite. "Ele precisa de seu tempo e precisa se adaptar à vida normal".



Um dia depois de voltar para sua casa em Mitzpe Hila depois de cinco anos em cativeiro do Hamas, o soldado israelense Gilad Shalit marcou o Simchat Torah em casa com sua família na noite de quarta-feira.




Marion Vaz


O Preço da Liberdade




Após cinco longos de negociação estamos a poucas horas do desfecho do mais longo cativeiro.

Gilad Shalit nasceu em Nahariya no dia 28 de agosto de 1986, faz parte das Forças de Defesa de Israel - Tzahal. O jovem Shalit tinha apenas 19 anos quando foi enviado para uma tarefa de identificação  no Kibutz Kerem Shalom próximo a Faixa de Gaza.  Após uma investida do grupo terrorista Hamas ao local, o jovem Shalit foi levado em cativeiro (25 de junho de 2006) e esteve incomunicável até hoje. 

Na verdade, não se tem notícias dele desde 2009 quando o governo israelense recebeu um vídeo onde se podia ver claramente o estado de esgotamento físico de Shalit. E até hoje nada se sabe sobre o rapaz, pois o grupo que o mantém prisioneiro não dá satisfação.

"Inúmeros foram os episódios de escárnio e tripudio que aconteceram ao longo destes 5 anos, sendo os casos mais deploráveis a Parada “Cívica” que o grupo Hamas fez onde sósias de Gilad desfilavam acorrentados pelas ruas da Faixa de Gaza.

Outro momento de imensa dor para a nação como um todo e para a família em particular, foi quando a TV Hamas, de Gaza, divulgou um desenho animado onde um personagem representando Shalit aparece chorando pateticamente e chamando pela mãe. A animação mostra um menino árabe dizendo a um acorrentado Shalit que Israel não liga mais para ele. A provocação termina com o jovem chorando e implorando a presença da mãe.









Posters espalhados pelas ruas da Faixa de Gaza tripudiam o cativeiro de Shalit."

Mesmo assim, durante o processo de negociação para a libertação de Shalit, familiares e amigos fizeram inúmeras e intensas campanhas para comover o resto mundo e estimular a agregação ao pedido de libertação. Fizeram passeatas, propagandas, camisetas, incentivos através de redes sociais, comunidades. Sem descanso os pais do jovem se mobilizaram dia e noite nessa luta por Gilad.

No ano passado Cerca de 15 mil pessoas chegaram  a Jerusalém em uma marcha iniciada 12 dias antes pelos país por Gilad Shalit. 



Numa derradeira e desesperada atitude de protesto, Noam e sua família acamparam próximo a residência do Primeiro Ministro Benjamim Netanyahu em Jerusalém e ali permaneceram até quarta feira passada. A Tenda de Protesto ficou conhecida em todo mundo.

E no quinto aniversário do cativeiro (25/06/11) a família Shalit invadiu o espaço cercado pela polícia ao redor da residência de Netanyahu  e se acorrentaram no local exigindo a libertação imediata do filho. No Yom Hatzmault o irmão de Gilad, Yoel Shalit, gritou em plena cerimônia: “Gilad está vivo!” 








Imagens divulgam os semblantes de Noam e Aviva que durante todo tempo mostravam preocupação em relação ao desfecho do seqüestro iluminaram-se na terça feira quando o Governo Israelense assinou o acordo anunciaram a troca de 1027 palestinos (muitos deles terroristas e assassinos) por Gilad. Pela primeira vez em todos esses anos uma mãe pode sorrir.


Um número razoável de israelenses tem protestado veementemente contra o acordo, principalmente membros das famílias enlutadas de três jovens que foram mortos na época. Além de civis que se sentem ameaçados pela libertação dos terroristas, pois todos, de uma forma, têm algum membro da família falecido em atentados.

Alheios a dor da família Shalit que durante esses cinco anos sofreu amargamente a falta do filho, muitos israelenses entre civis, jornalistas e até rabinos tem se colocando contra a atitude do Governo. O protesto chegou ao mais alto nível quando um jovem vandalizou o Tel Aviv Yitzhak Rabin Memorial.

O ex-rabino-chefe IDF brigadeiro-general  Avichai Ronsky disse na terça-feira  que Israel não deveria ter se esforçado no sentido de uma troca de prisioneiros terroristas. Falando com Ynet, Ronsky alegou que o único caminho correto para liberar Shalit deveria ter sido através de uma ação militar

A revolta tem sua lógica, afinal, esses homens e mulheres que serão trocados por Gilad foram condenados por crimes brutais e atos de terrorrismo contra civis, e agora, como parte do acordo, serão posto em liberdade e alguns deles com carta de perdão individual. 

Mas em uma reunião segunda-feira com as famílias enlutadas, o presidente Shimon Peres disse que entende a dor dos familiares sobre o fato de terroristas palestinos serem libertados como parte do acordo de troca por Gilad Shalit, acrescentando, no entanto, que era seu dever salvar até mesmo uma vida e que "salvar a vida de um menino israelense é uma consideração moral e ética"
 
O que nos chama atenção para o caso Gilad e parece nem fazer diferença apra o resto do mundo são as exigências do grupo Hamas: 1027 palestinos por um israelense. Esse é o preço da liberdade!









Assim, amigos, parentes e parceiros da família Shalit iniciaram uma campanha de boas vindas ao jovem Gilad mobilizando a população com a mesma intensidade com que lutaram pela libertação. 


Reportagem no Haarez mostra os organizadores arrumando camisetas com slogan que mostram um sentimento de vitória e que, apesar das controvérsias,  esse será uma dia de glória para Israel.








Espero e tenho orado muito a D-us nos últimos anos para que Gilad regresse para Israel, para junto de sua família e que esse pesadelo realmente chegue ao fim. Oremos para que o jovem Shalit esteje bem apesar das circunstâncias.




Marion Vaz