domingo, 8 de janeiro de 2017

Israel precisa de soluções que se identifiquem com a nação

Nenhum texto alternativo automático disponível.


Ultimamente temos ouvido muitos comentários a respeito de Israel, as decisões tomadas pela ONU e Unesco e o que cada país admite ser o melhor para a tão sonhada paz no Oriente Médio e entre Israel e países vizinhos. A primeira observação importante para se refletir é que Israel não está em guerra com quem quer que seja. Não temos a intenção de "abrir fogo" a não ser em caso de ataque terrorista. Que o Exército israelense está sempre atento, não se pode condenar. E se os demais países não se sentem a vontade pela existência da nação de Israel e vivem em conflito, com certeza isto é o outro lado da moeda.


Mas esta não é a primeira vez que o Conselho de Segurança das Nações Unidas elabora uma resolução sobre a legalidade dos assentamentos israelenses. Para o Governo de Israel a criação de novos bairros nas proximidades de territórios ditos da Cisjordânia é parte de um programa habitacional e uma estratégia de defesa desde o plano Allon em 1967 quando se deu a conquista dos territórios. Na verdade, o que mundo chama de assentamentos são cidades com cerca de 20 a 50 mil habitantes, povoados e colônias agrícolas. 


Túnel que liga Jerusalém a Gush Etzion passa por baixo de Beit Lechen 

Então, acirrado o conflito entre os países que apoiam a resolução condenando Israel de violação do direito internacional, outras propostas estão sendo elaboradas para conter ou até mesmo exigir a evacuação das Colônias. Assim, todos os países envolvidos se expressão a favor de mudanças extremas no território israelense.

Mas tem uma frase que me chamou bastante atenção neste final de ano: " A roupa de Saul não cabe em Davi". Interessante entender é que esta frase vai muito além da passagem bíblica que se refere ao confronto entre Davi e Golias. No qual, ao resolver lutar contra o gigante filisteu, Davi foi submetido a usar a armadura e espada do exército de Saul. Por ser menor e mais novo em idade, é óbvio que o rapazote não conseguia sequer dar um passo usando armamento pesado (1 Sm 17.38.39). 

E o que estava em jogo no contexto bíblico era a honra do exército de Israel frequentemente afrontado pelos insultos do gigante Golias (vs 8-9). Então Davi decidiu que lutaria e venceria aquela batalha com base em suas experiências anteriores. Além da sua ousadia o rapaz tinha consciência que o Senhor D-us estaria com ele em todo tempo. Mas ao invés de aceitar as medidas de segurança do rei: as roupas, espada e capacete de Saul, Davi decidiu agir com as suas próprias armas. Ao matar o gigante Golias, Davi encorajou os demais soldados a perseguir o exército inimigo e assim venceram uma guerra. 

E o que isso tem a ver com o assunto exposto no início da matéria? Entendemos que Israel não pode acatar para si as decisões de outros países e governantes levando em conta que é um país independente com suas próprias diretrizes. O Governo Israelense e seus ministros são responsáveis pelo bem estar do povo e desenvolvimento dos diversos setores da economia, educação, turismo, transportes, hospitais, etc. que fazem de Israel um país que se destaca no panorama mundial. 

Uma decisão de um país, seja ele da América ou da Europa ou Ásia que não se identifica com as necessidades reais de Israel e os planos elaborados de desenvolvimento para todo território não pode ser acatada principalmente se desrespeita o povo e suas tradições, religiosidade e conquistas. Ninguém pode, de forma arbitrária condenar Israel por não se dobrar diante das demais nações do mundo! Primeiro, porque em Israel existe um Governo. Segundo, porque existe uma população ativa com direitos e deveres. Terceiro, porque existe uma consciência sólida de cidadania, de sentimento judaico-sionista no coração do povo tão marcante como nas letras do hino nacional israelense.

 Acredito que a melhor atitude é deixar Israel resolver as coisas do seu próprio jeito!


quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Chanukah - O Milagre

Resultado de imagem para chanukah


"Milagres continuam acontecendo, todos os dias. Todos nós conhecemos ou vivemos uma história real com o toque divino. Talvez sem os "efeitos especiais" de milagres do passado; talvez sem uma visão especial nossa, sem que os percebamos como tais... "  


 Chag Sameach

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

As Ovelhas de Yaakov chegam a Israel

“Ovelhas de Jacó” são vistas em Israel após mais de 2 mil anos

Três aviões fretados transportaram as ovelhas até Israel. Gil e Jenna Lewinsky foram os criadores responsáveis pela operação complexa que as tirou da fazenda canadense onde eram criadas. “A primeira ovelha chegou no dia em que Noé saiu da arca, 28 de Cheshvan, segundo o calendário judaico”, explica Jenna. O calendário ocidental marcava 30 de novembro.
“Foi lindo vê-las caminhar sobre o solo de Israel”, comemorou a fazendeira, que imigrou definitivamente para o Estado judeu três semanas antes do primeiro voo trazer os animais.
As marcas genéticas das ovelhas indicam que elas são naturais do Oriente Médio. Originalmente viviam no território do norte, onde é a Síria moderna, moradia de Labão, ensina a Bíblia. Ao longo dos séculos foram se espalhando e chegaram até o Norte da África.
Consideradas animais diferenciados, alguns exemplares foram levados para zoológicos na América do Norte. Diferentemente de outros ovinos, que apresentam 2 chifres, essas possuem 4 e às vezes até 6.
Resultado de imagem para ovelhas de jaco em israel
A raça é conhecida como “ovelhas de Jacó” por causa dos relatos de Gênesis, onde se narra como elas foram multiplicadas por Deus para que Jacó pudesse pagar suas dívidas com o sogro Labão. Elas são as “salpicadas e malhadas”, descritas nas Escrituras (Gn 30.39).
Os Lewinsky explicam que essas ovelhas não eram vistas em Israel há milhares de anos. Contudo, trazê-las de volta não foi um processo fácil. Foram necessárias muitas conversas do Ministério da Agricultura de Israel com o Ministério do Desenvolvimento Rural e Agência de Inspeção de Alimentos do Canadá. 

Fazenda especial

O porta-voz do Ministério da Agricultura israelense veio à público explicar que o Canadá não está na lista dos países que tem permissão de exportar animais vivos para Israel. Para que esse rebanho viesse, foi necessário negociar “condições especiais, apenas para fins de turismo”. Os custos de transporte ficaram na casa dos 100 mil dólares e o governo israelense pagou a maior parte.
Gil e Jenna pretendem abrir uma fazenda que permitirá a visitação dos animais, embora ainda não tenham conseguido permissão para comprarem terras nas Colinas de Golã, na região fronteiriça com a Síria.
Por enquanto, as ovelhas estão passando por uma “quarentena especial” no sul de Israel, onde aguardam a chegada das últimas ovelhas, são 119 ao todo. Somente no início de 2017 devem estar todas liberadas. Enquanto isso, os Lewinsky procuram um lar permanente para as ovelhas.

A ‘saga’ dessas ovelhas têm recebido atenção mundial, incluindo ampla cobertura da mídia judaica como o Times of Israel e chamando atenção de jornais americanos e europeus. Para muitos esse pode ser um sinal profético, de restauração e prosperidade para os judeus, como foi nos dias de Yaakov.

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/ovelhas-de-jaco-israel-dois-mil-anos/


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Sukkot


"A Mitzvá de habitarmos a Sucá nos ensina a confiar em D'us. Todos nós temos a tendência a pensar que nossas posses, nosso dinheiro, nossos lares ou nossa inteligência nos protegerão. Na Sucá estamos expostos à natureza, numa cabana temporária. Viver numa Sucá coloca a vida em sua verdadeira perspectiva. Nossa história tem provado isto. Nossa fé precisa ser somente em D'us. "


sábado, 15 de outubro de 2016

Decisão da ONU desrespeita o Povo Judaico


Quem tem direito sobre Jerusalém? É uma pergunta capciosa, mesmo porque a resposta é óbvia - O povo judaico. 

Mas para criar mais uma polêmica e se manter em evidência no cenário mundial a ONU - Organização das Nações Unidas, que tem um papel relevante em muitos e importantes casos, "resolveu" esta semana que o povo judeu não tem "laços" com a cidade de Jerusalém e o Monte Moriá, que é o Monte do Templo. Para isso contou com a aprovação de 24 países que optaram em favorecer uma resolução proposta pelos palestinos negando qualquer ligação entre os judeus, Jerusalém, Monte do Templo e Muro ocidental.

É uma coisa meio que idiota mesmo! Porque para tal decisão tem que se negar o contexto histórico em que o povo judaico está inserido, negar a veracidades dos fatos históricos que estão em todos os livros, desrespeitar a Palavra de D-us que contém a história de todos os personagens hebreus e judaico. Não é apenas uma simples implicância com Israel dizendo vamos tirar deles todos os direitos sobre seus locais sagrados, sobre a cidade de Jerusalém, sobre o Monte Moriá em que foram construídos o Primeiro e o Segundo Templo e até sobre o Muro Ocidental. Vamos votar para entregar tudo aos palestinos! Como afirmou o próprio Netanyahu, Primeiro Ministro de Israel: Eles nunca leram a Bíblia.

É óbvio que a ONU perdeu seu senso de justiça, seu status credibilidade de Organização de Nações Unidas! Unidas em que? Pergunto. Tanta gente morrendo de fome e eles preocupados em perturbar a paz no território israelense.

Porque é óbvio que tal decisão vai provocar um confronto e acirrar ainda mais os problemas que envolvem palestinos e judeus residentes em Jerusalém. parece mesmo que é isso que desejam a fim de que, quando Israel se defender e é claro alguns civis sofreram danos, o mundo possa criticar as ações de Israel.


Yom Kippur - 2016

De uma forma bizarra, o documento apresentado pelas Autoridades Palestina indica que o Muro Ocidental - Kotel - passe a se chamar Al-Buraq Plaza (Buraq é o nome de um cavalo alado que levou Maomé até Jerusalém) e que tenha um acesso ao local pela porta de Mughrabi - Aprovar isso é realmente uma provocação. 

Desde a Era Bíblica Israel vem sofrendo esse tipo de intervenção. Já no livro de Neemias, ao entrar na cidade na intenção de reedificar os muros e portas de Jerusalém, estruturar a cidade que estava desolada, Neemias foi contrariado por um grupo que podemos denominar "Sambalates e Tobias". Respondendo a afronta, Neemias não se intimidou e proferiu estas palavras: "O D-us dos céus é o que nos fará prosperar e nós, seus servos, nos levantaremos e edificaremos Jerusalém; mas vós não tendes parte, nem justiça, nem memória em Jerusalém (Neemias 2.20).











terça-feira, 11 de outubro de 2016

Iom Kippur


רחם עליי, הו אלוהים, על פי החסד עמך :. פי הריבוי במכרז עמך החסדים ימחה העבירות שלי לטהר אותי ביסודיות עון שלי ולנקות אותי מהחטא שלי
תהילים 51


"Compadece-Te de mim, ó D-us, segundo a tua benignidade; segundo a multidão das tuas misericórdias apaga as minhas transgressões. Limpa-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado"
Salmos 51

segunda-feira, 3 de outubro de 2016