segunda-feira, 29 de agosto de 2011

El HaTzipor de Chaim Nachman Bialik



A poesia de 64 versos Ao Pássaro escrita quando Bialik tinha apenas dezoito anos (1891) e mais tantas outras que escreveu no decorrer de 40 anos, mostram o clamor pelo renascimento nacional. Em sua época havia um sentimento sionista que inspirava os poetas.

Nascido na Rússia em 1873, Bialik foi o responsável por inspirar a estruturação do hebraico falado hoje em Israel, o que fez com que se tornasse  um ícone da poesia nacional. O “poeta do Renascimento Hebreu” também foi elogiado por Mario de Andrade como “um dos maiores poetas hebreus” daquela época.
  

Estátua de Bialik em Ramat-Gan
Escultor Yasha Shapira.

El HaTzipor  - Ao Pássaro – Reflete seus sentimentos em relação a Sion e a Rússia (tema que apareceria freqüentemente em sua obra), e revela um poeta que vive na terra da escuridão e do frio e que faz perguntas e declarações a ave que vem da Terra de Israel, Tzion. 






Nela encontramos dois universos: o atual e o desejado. “O atual é frio e desolado, onde seu coração de um poeta está repleto de dor e tristeza. Tzion é quente, bela e primaveril e o canto do pássaro assegura a existência de uma terra que lhe é querida e traz esperança”.

“Bialik fez parte de uma geração intermediária dos tempos modernos do povo judeu, nem período de reorganização da cultura e da vida judaica em geral”. 1
 
Chaim Nachman Bialik viajou para Israel em 1924 por muitos anos. Foi a Viena para um tratamento de saúde e morreu em 4 de julho de 1934. Foi sepultado em Tel Aviv e teve sua obra traduzida para aproximadamente trinta línguas, deixando como legado uma grande contribuição para a formação de uma identidade judaica. Muitas das obras de Bialik foram musicadas e são populares até hoje, principalmente aquelas escritas para crianças. 

 
"Todos os eventos de minha vida são como pedaços de som esparramados, de diversos instrumentos. Em cada um deles toca uma melodia separada e, se apesar de tudo os sons se fundem em uma melodia, isso não é senão um milagre do céu."

EL HATZIPOR 
Shalom rav shuvech, ziporah nechmedet,
Me-artzot ha-chom el chaloni -
El kolech ki arev ma nafshi chalata,
Ba choref be'ozvech me'oni

Zamri, saperi, tzipori hayekara,
Me-eretz merchakim nifla'ot,
Hagam sham ba'aretz ha-chama, hayafa,
Tirbeina ha-ra'ot, hatla'ot?

Ha-tis'i li shalom me'achai betzion,
Me-achai ha-rechkoim ha-krovim?
Hoi me'usharim! Ha-yed'u yado'a,
Ki esbol, hoi esbol mach'ovim?

Ha-yed'u yado'a ma rabu po sotanai,
Ma rabim hoi rabim li kamim?
Zamri, tzipori, nifla'ot me'eretz,
Ha'aviv ba inveh olamim.

Ha'tis'i li shaliom mizimrat ha'aretz,
Me'emek, migai, merosh harim?
Haricham, ha-nicham elo'ah et tzion,
Im oday azuvah likvarim?

Ve'emek hasharon veiv'at halevonah -
Ha'yitnu et moram, et nirdam?
Ha-hekitz mishnato hasav ba'ye'arim,
Ha-levanon ha-yashen, ha-nirdam?

Hayered kifninim hatal al har charmon
Im yered veyipol kidama'ot?
Umah shlom hayarden umeimav habehirim?
Ushlom kol heharim, ha-geva'ot?

Kvar kaloo hadma'ot, kvar kaloo hakitsim,
Velo hekitz haketz al yegoni,
Shalom rav shuvech, tzipori hayekara,
Tzahali na kolech va'roni!


AO PÁSSARO (tradução livre)

Bem-vindo ao pássaro e seu retorno doce,
Dos países quentes a minha janela
Como minha alma anseia ouvir a sua voz agradável
no inverno, quando você sair a minha habitação.

Cante, conta, querido pássaro,
De uma terra maravilhosa e distante,
Também são os problemas e grande sofrimento
na terra quente e bonita?

Você tem saudações de meus irmãos em Sião,
De meus irmãos distantes, mas ainda perto?
Oh são felizes! Será que eles sabem
Que sofro a dor dos que sofrem?

Será que eles sabem como abundantes minhas memórias estão aqui,
Como pode, e por isso muitos se levantam contra mim?
Canta meu pássaro, as coisas admiráveis de uma terra,
Onde a primavera habita para sempre.

Você tem saudações da música da terra?
Do vales e topos das montanhas?
Que Deus teve piedade e consolou Sião?
Ou ainda é abandonada a sua sepultura?

E do vale de Sharon e do monte da árvore de incenso
Será que eles exalam sua mirra, e seu perfume?
(...)

Faz descer o orvalho como pérolas no Monte Hermon?
Faz descer e cair como lágrimas?
E como está o Jordão e suas águas límpidas?
E como são as montanhas, as colinas?

Minhas lágrimas secaram, toda a esperança fugiu
No entanto, não há fim para minha tristeza,
Saudações por seu retorno, meu pássaro querido,
Levante sua voz e grita...


Marion Vaz



1 Revista Herança Judaica nº 85 Fev/1993 

Poema musicalizado no You Tube
http://www.youtube.com/watch?v=zfyLcXC8-Ss 



Um comentário:

  1. Shalom, Marion Vaz, shavua tov ve shana tova!

    Gosto muito desse poema, e descobri uma linda versão musicada. Está no YouTube, do Avishai Cohen:

    http://www.youtube.com/watch?v=zfyLcXC8-Ss

    ResponderExcluir