quinta-feira, 8 de abril de 2010

Descobertas Arqueológicas em Israel

Mapa de Madaba Autoridade de Antiguidades de Israel descobriram evidências arqueológicas que confirmam a descrição de Jerusalém no mapa de Madaba



Um trabalho de Infra-estrutura feito perto do Portão de Jafa na Cidade Velha de Jerusalém descobriu ruínas arqueológicas que confirmam a descrição de Jerusalém no mapa de Madaba, apresentando a terra de Israel durante o período bizantino. O mapa, criado no século 6 ou 7 d.C, mostra a entrada oeste de Jerusalém foi um portão de dimensões grandes, levando a uma única rua central principal deste lado da cidade. Até esta data, apesar da confiabilidade do mapa, não havia nenhuma evidência arqueológica para a existência da rua.

Até recentemente, no lugar onde havia escavações arqueológicas, um cruzamento movimentado de um dos mercados mais populares da Cidade Velha, dificultava o trabalho. Mas nos últimos meses, na seqüência de obras de infra-estrutura realizadas pela Autoridade de Desenvolvimento de Jerusalém, uma escavação arqueológica foi possível determinar o que o famoso mapa já apontava.


"Depois de retirar um número de camadas arqueológicas, a uma profundidade de cerca de 4,5 metros abaixo da rua de hoje, descobrimos com muito emoção, as grandes lajes do piso da rua," disse o Dr. Ofer Sion, diretor da escavação, em nome da Autoridade de Antiguidades.



As placas de um metro ao lado da rua estavam os restos de uma calçada e uma fileira de colunas. Em baixo da vida agitada da rua de hoje, na verdade, guarda o traçado da rua movimentada 1.500 anos atrás era utilizada por peregrinos cristãos", acrescentou Sion.

Jornal Haaretz FEV/2010



A Corporação Giom foi recentemente fazendo um trabalho sobre a infra-estrutura de esgoto moderna de Jerusalém, onde descobriu uma espetacular ponte arqueada. A estrutura acabou por ser um aqueduto que trazia água para o Monte do Templo, 2000 anos atrás. Ao perceber a importância do antigo aqueduto, a empresa transformou o site sobre a Autoridade de Antiguidades de Israel para uma escavação profissional.




De acordo com Yehiel Zelinger, o diretor da escavação do sítio, em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel, a ponte ainda podia ser visto nas fotos a partir do final dos anos 1800, mas gradualmente durante os anos 1900 ela estava coberta. Ele explicou: "Ficamos felizes quando, de repente reapareceu em toda a sua grandeza."

O aqueduto remonta à época do Segundo Templo, quando começou e terminou perto de Belém, no Monte do Templo. Sua existência tem sido bem conhecidos dos estudiosos durante muitos anos.

A Autoridade de Antiguidades de Israel e da Autoridade de Natureza e Parques estão trabalhando em conjunto com o financiamento da Corporação Giom para expor toda a estrutura e para conservá-lo como um local histórico que demonstra a importância do abastecimento de água à antiga Jerusalém.

Fonte: http://www.isrealli.org/2000-year-old-aqueduct-uncovered-in-jerusalem/


Mais uma relíquia da antiguidade foi exposta esta semana em Jerusalém. Por mais de 1.000 anos ela esteve coberta de entulho e agora, no século XXI está sendo revelada mais uma das facetas da população de Israel na antiguidade.





O período da construção da piscina está entre o II e o século III da era cristã e a mesma ficava localizada junto a um Mikveh, na realidade, bem abaixo do mesmo.

Por muito tempo se pensava, por falta de provas, de que a Jerusalém deste período, após a repressão da revolta de Bar Koba no ano 135 D.C de que a cidade seria bem menor do que se esperava, pois nenhuma construção deste período da legião romana teria sido achada até agora.

A piscina que provavelmente estava coberta com telhas, fato que é comprovado pela grande quantidade de pedaços de telhas que foram encontradas em seu interior, teria sido utilizada basicamente pelos soldados responsáveis pela opressão a Jerusalém recém conquistada.

Neste período da história, Jerusalém foi nomeada pelos romanos como Aelia Captolina com o objetivo de "apagar" a característica e origem judaica da cidade.

Outro achado muito interessante no descoberta da piscina, foi o selo da décima legião romana e nele gravado uma pegada de um cão, provavelmente de um dos soldados romanos, não se sabe porém se a pegada gravada no emboço teria sido um incidente, ou um ato de humor por parte dos soldados.



A descoberta foi feita justamente no Bairro Judaico, na parte alta da Cidade Velha de Jerusalém, embaixo do local onde estavam sendo feitos preparações para a construção de um Mikve, ou seja, uma piscina de purificação utilizada por judeus observadores da lei mosaica.

Fonte: www.cafetorah.com/Piscina-de-1800-anos-descoberta-em-Jerusalem?page=7

A forte tempestade que varreu Israel no fim de semana causou uma quantidade de danos a sítios arqueológicos em todo o litoral do Mediterrâneo, mas também descobriu uma impressionante estátua de mármore de uma mulher data da época romana (entre 1650 e 1800) em Ashkelon.

Fonte: Fonte: http://www.haaretz.com/news/national/



Seria Israel o berço do homem moderno?

Cientistas encontram fósseis que podem ser o mais antigo registro dos seres humanos na Terra


Arqueólogos israelenses encontraram dentes que são duas vezes mais velhos que o mais antigo registro humano já encontrado (Associated Press/Oded Balilty)



A teoria mais aceita sobre a origem do Homo sapiens é a de que ele se originou na África e migrou para fora do continente.

Cientistas encontraram fósseis de 400.000 de idade em um sítio arqueológico em Israel que se parece com restos de seres humanos. Se confirmada, a descoberta será a mais antiga evidência do homem moderno — o Homo sapiens — já encontrada, causando um revés nas teorias que tentam explicar a origem do ser humano atual. Isso porque o registro mais antigo do Homo sapiens já encontrado possui cerca de 200.000 anos. O estudo foi publicado no periódico American Journal of Physical Anthropology.
Associated Press/Oded Balilty


Sítio arqueológico onde os pesquisadores israelenses encontraram os dentes




Uma equipe da Universidade de Tel-Aviv, em Israel, examinou fósseis de dentes com raios-X e calculou a idade deles levando em consideração as camadas de terra onde eles foram encontrados. Os pesquisadores disseram que será necessário realizar mais análises para confirmar o achado. Caso isso aconteça, "mudará a noção que temos sobre a evolução humana completamente", disse o arqueolólogo israelense Avi Gopher em entrevista a Associated Press.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/seria-israel-o-berco-do-homem-moderno

28/12/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário